Memórias Cinematográficas de Machado de Assis

Na última sexta-feira surgiu o assunto no pré-vestibular de Itaipú. Claro que o tema rendeu, pois desde a adolescência que sou fã do escritor, e quando a conversa envereda para algo que gostamos…

Pois bem, na hora esqueci de comentar que minha prima Gisella está produzindo uma mostra com as obras de Machado de Assis que foram transportadas para a telona do cinema. A mostra recebeu o título de MEMÓRIAS CINEMATOGRÁFICAS DE MACHADO DE ASSIS, e está em cartaz na CAIXA CULTURAL, que fica próximo à estação de Metrô da Carioca.

A apresentação da proposta e a programação encontam-se na no site http://imagemtempo.com.br.

Um abraço a todos.

Anúncios
Published in: on junho 15, 2008 at 7:21 pm  Deixe um comentário  

OUTUBRO

Outubro de 2007.

Morreram este mês dois atores que marcaram época: Paulo Autran e Débora Kerr, respectivamente nos dias 12 e 16.

Ele foi um dos maiores atores brasileiros de todos os tempos. Quem quiser ver um pouco de seu talento, basta ver TERRA EM TRANSE, de Glauber Rocha, lançado em 1967, um dos marcos do Cinema Novo.

 

Ela estourou em hollywood nas décadas de 40 e 50. Nós brasileiros com menos de 50 anos podemos não lembrar da famosa cena do beijo com Burt Lancaster no meio das ondas (ousada para a época), mas certamente conhecemos a citação que Rita Lee fez dela na música FLAGRA, que fazia um trocadilho com o nome de atores famosos:

No escurinho do cinema
Chupando drops de anis
Longe de qualquer problema
Perto de um final feliz…

Se a Deborah Kerr
Que o Gregory Peck
Não vou bancar o santinho
Minha garota é meio West
Eu sou o Sheik Valentino..

Mas de repente
O filme pifou
E a turma toda logo vaiou
Acenderam as luzes
Cruzes!
Que Flagra!
Que Flagra!
Que Flagra!

Published in: on outubro 21, 2007 at 11:21 am  Deixe um comentário  

TROPA DE ELITE – 174 – filmes diferentes, mesmo personagem

Em janeiro de 2000, aconteceu um daqueles episódios que a gente lembra pra sempre de onde estava naquele momento. Estou falando do trágico seqüestro do ônibus 174 no Jardim Botânico, que terminou com a morte da professora e do seqüestrador, tudo visto ao vivo pela TV por milhões de pessoas.

Matias 174À frente das negociações estava o hoje ex-integrante do Batalhão de Operações Policiais Especiais André Batista, que todo mundo conhece agora como o Matias do filme Tropa de Elite, vivido pelo ator revelação André Ramiro. No filme ele é treinado pelo capitão Nascimento – ou Rodrigo Pimentel, na vida real – vivido pelo ator Wagner Moura, para ser o seu substituto.

Outro filme está sendo rodado, este sobre o fatídico episódio do ônibus 174, e o interessante é que o comandante do Bope André Batista é interpretado pelo mesmo ator que o viveu em Tropa de Elite, ou seja, André Ramiro.

(Na foto acima, o verdadeiro policial Matias – André Batista – passa orientações aos atores que interpretam policiais no filme 174)

O mais legal ainda é saber que o ator André Ramiro trabalhou como bilheteiro do cinema do Shopping Fashion Mall até bem pouco tempo. Na verdade, continua trabalhando no cinema, só que do outro lado da tela. Uma espécie de Woody Allen (A Rosa Púrpura do Cairo) às avessas.

Published in: on setembro 21, 2007 at 9:30 pm  Comments (6)  

Aniversariante do dia

Hoje tá fazendo aniversário um ator que tenho profunda admiração.Jack Nicholson

Está completando 70 aninhos.

Atuou em filmes memoráveis, como Chinatown, de Roman Polanski (1974), Um estranho no ninho de Milos Forman (1975), e O iluminado, de Stanley Kubrick e Melhor Impossível, de James L. Brooks.

Outro papel interessantíssimo que interpretou foi o impagável Coringa em Batman, de 1989. Seu trabalho mais recente foi no vencedor do Oscar Os Infiltrados, de Martin Scorsese.

Parabéns, Jack!

Published in: on abril 22, 2007 at 7:35 am  Comments (1)  

Quase Dois Irmãos

TODOS TEMOS SEMPRE DUAS VIDAS:

UMA, A QUE SONHAMOS

OUTRA, A QUE VIVEMOS

Outro dia assisti a um ótimo filme: “Quase Dois Irmãos”, da diretora Lucia Murat (a mesma dos ótimos filmes DOCES PODERES-1996 e QUE BOM TE VER VIVA-1989).
A história narra a experiência de dois personagens: Miguel, militante do movimento estudantil nos anos 70 e Jorginho, bandido de uma favela do Rio. O encontro entre estes dois mundos – o morro e o asfalto – acontece na famosa prisão de Ilha Grande, onde se misturavam os “subversivos” e os presos comuns. O filme mostra não só a relação de amizade entre personalidades e histórias de vida tão diferentes, mas também a criação da Falange Vermelha, e posteriormente, Comando Vermelho.
Em 2003, quando se passa o período atual, Miguel se tornou um importante deputado, enquanto o Jorginho se tornou um comandante do tráfico de drogas. A filha de Miguel é uma jovem mimada que sobe o morro e tem um caso com o chefe da boca. Ou seja, o roteirista Paulo Lins (o mesmo de “Cidade de Deus”) mistura ingredientes que estamos cansados de ver nos jornais.
A cidade Partida de Zuenir Ventura foi aqui muito bem representada, com competência e sensibilidade, quase duas décadas depois.

Published in: on outubro 10, 2006 at 9:27 pm  Deixe um comentário